Retour à l'accueil

                  
Pitanga

Nome científico : Eugenia unifloa L.

O seu nome vem da língua Tupi – “pi’tana” (avermelhado). A essa cor se deve também a expressão “chorar pitanga” – que, segundo Câmara Cascudo, é adaptação da expressão portuguesa “chorar lágrimas de sangue”.
A cor da “boca mimosa e vermelha como pitanga” descrita por José de Alencar (“Iracema”).
A cor do rosto envergonhado “que ficou como uma pitanga”, segundo Machado de Assis (“Quincas Borba”).

A pitangueira é uma pequena árvore que nas regiões subtropicais alcança 7m a 10m de altura, com tronco irregular, ramificado, bastante engalhado, de cor avermelhada.

Possui folhas opostas, ovais avermelhadas quando jovem e de coloração verde quando adulta, e brilhantes, com aroma característico quando maceradas.

Florescem de agosto a novembro. Localizam-se nas axilas das folhas e são hermafroditas. A floração da pitangueira é abundante, branca e perfumada.

O fruto é arredondado e relativamente pequeno (1-1,5 cm), tipo baga, achatado nas extremidades com sulcos longitudinais, de coloração vermelha, rubra, roxa, às vezes quase preta, na maturação. Polpa vermelha e carnosa, de sabor adocicado, levemente ácido, envolvendo uma semente esverdeada.

O período de frutificação varia de outubro a janeiro.

O ato de comer pitangas colhidas diretamente no pé tem espaço garantido na cultura e sentimento brasileiro. Há quem prefira comê-las mais verdes, azedinhas; há quem as aprecie mais maduras, doces e perfumadas. Mas é sempre uma fruta muito apreciada e a sua polpa é agridoce e perfumada. Da sua polpa se obtém sucos, geléias, vinhos, doces e licores. O estado de Pernambuco é um dos principais produtores e tem uma produção estimada em 1700 toneladas de frutos.

As folhas da pitangueira são muito perfumadas e estão tradicionalmente relacionadas aos cultos e rituais religiosos católicos, sincréticos e afro-brasileiros do candomblé. As folhas são usadas muitas vezes para forrar o chão dos terreiros.
Com essas folhas se faz chá eficiente no alívio de dores reumáticas, no tratamento de bronquite e para baixar a febre. “Erisipela só dá com febre alta...Isto passa. Com o chá de pitanga tudo vai indo”, receita Guimarães Rosa (“Sagarana”).

A madeira é empregada na confecção de cabos de ferramentas e outros instrumentos agrícolas.

A presença de licopeno (poderoso antioxidante) em sua composição é responsável pela coloração vermelha intensa da fruta. Mais recentemente, tem sido apontado que esta frutinha também possui propriedades afrodisíacas.
Conforme análise físico-química de 100 gramas de polpa de pitanga foram constatadas 38 calorias, 0,3g de proteína, 10mg de cálcio, 20mg de fósforo, 2,3mg de ferro 0,03mg de vitamina B2 e 14mg de vitamina C.

  


           

  


  

Pitanga é usada em pesquisa contra o câncer


- Uma parceria entre pesquisadores brasileiros e a Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, vai avaliar o uso da pitanga na prevenção do câncer. O professor e pesquisador norte-americano da universidade, Michael Wargovich, esteve em março no Brasil para fechar uma parceria de pesquisa com a Embrapa Clima Temperado, em Pelotas, e a Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
A pitanga apresenta propriedades que podem funcionar como antiinflamatório nas células. A tarefa brasileira será de selecionar o material genético e identificar os compostos. Nos EUA, a equipe fará testes de laboratório.
A idéia é de que os extratos contidos em frutas vermelhas, como a pitanga, consigam reduzir a proliferação das células cancerígenas em ratos geneticamente modificados(portadores da doença). As características da fruta que, segundo o pesquisador, apresenta antocianinas, carotenóides e fenóis, que podem funcionar como antiinflamatório nas células.
As razões para o uso da pitanga também se referem ao baixo custo e disponibilidade de ser consumida diretamente pela população. Além disso, a atual comercialização do produto, variedades e seleção, fazem da pitanga uma fruta acessível ao estudo e posterior consumo.
Fonte: Brasil Alimentos - nº 39 - Março de 2007

Licor de Pitanga

Para a preparação de licores deve-se observar:

- Vasilhame de vidro, louça ou cristal
- Papel de filtro, saco de flanela ou algodão hidrófilo
- A calda de açúcar, quando fria, deve ter em media, 25º (aerômetro de Baumé)
- Para os demais pontos, verifique o grau mais indicado
- Os licores brancos ou claros devem ser preparados com açúcar refinado
- Para dar cor aos licores escuros utiliza-se caramelo (açúcar queimado)
- Empregue, sempre, frutas sãs e em perfeito estado de conservação
- Use sempre álcool de boa procedência, álcool de vinho (espírito)
- Na falta deste, álcool de cana, no grau indicado
- Escolha com escrúpulos os ingredientes
- Aguardente pura e nada de composição que não traga o endosso da saúde pública.

Ingredientes
1 litro de álcool 40º;
1 quilo de pitanga maduras
1 quilo de açúcar
1 ½ litro de água filtrada

Preparação
Coloque, num frasco de vidro, o álcool, as pitangas e o açúcar, deixando por um espaço de 4 dias, tendo porém, o cuidado de mexer com uma colher de pau 2 vezes ao dia. Passando esse tempo, misture 1 ½ litro de água filtrada e, em seguida, filtre e engarrafe. Utilize vasilhame de vidro, cristal ou louça.