Retour à l'accueil

                  
Caqui

Nome científico : Diospyros kaki L.

Arvore com geralmente 10 a 12 metros de altura, com copa arredondada e bastante ramificada. Apresenta um desenvolvimento inicial lento, chegando a atingir a maturidade por volta de 7 a 8 anos, mas possuindo uma durabilidade de dezenas de anos.
Folhas verdes, brilhantes que caem no inverno.
Flores de coloração alvo-amareladas.
Frutos de tipo baga, esféricos, levemente achatados, de cor vermelha-alaranjada. Polpa viscosa, de cor vermelha, adocicada, envolvendo as sementes que são achatadas e de coloração castanha. De aparência gelatinosa e fria, concentrando boas quantidades de caroteno (vitamina A) e vitaminas dos complexos B e C, a polpa do caqui é constituída basicamente de mucilagem e pectina, responsáveis pela aparência característica da fruta. O seu teor de açúcar, supera o da maioria das frutas de consumo popular.
Frutificação do final do verão ao outono, com picos de produção nos meses de março e abril.
Fruta elegante e delicada, é degustada praticamente sempre ao natural, à mesa e com talheres.


© Hervé Thery


Fruta de sabor doce e agradável, contém vitamina A, B1 e B2, além de quantidade considerável de fibras que regulam as funções intestinais. É muito recomendado contra afecções do fígado, problemas intestinais, catarros da bexiga e as enfermidades das vias respiratórias. As pessoas que sofrem do estômago e que apresentam manifestações de acidez, dores ou cãimbras, melhoram comendo 2 ou 3 caquis por dia.
Apesar de ser muito doce, a fruta pode ser consumida pelos diabéticos.
Além do consumo como fruta fresca, o caqui pode ser industrializado no preparo de vinagre e caqui-passas.
O caquizeiro é cultivado no Brasil principalmente nas regiões Sul e Sudeste, com destaque para os Estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e nas regiões Sul de Minas Gerais.
Esta fruta pode causar nódoas nas roupas. Para eliminar as manchas, lave a peça de roupa em água corrente e abundante, esfregando bem o lugar manchado.